Blog

CLASSIC LIST


A Medicina Domiciliar é um termo genérico para um conjunto de procedimentos hospitalares que podem ser feitos na casa do paciente. Aplica-se a todas as etapas do cuidado do profissional de saúde, na prevenção, no diagnóstico e no tratamento de doenças, bem como nos procedimentos de reabilitação. Justifica-se esse estudo em razão do fato de que o serviço de Home Care está crescendo em todo o Brasil,e pelos benefícios trazidos pela sua equipe multiprofissional, proporcionando ao paciente e seus familiares um atendimento individual, o que contribui para melhora na sua qualidade de vida.
Depois de o paciente passar um período de estadia no hospital, a Assistência Domiciliar é o meio pelo qual acontece a desospitalização e disponibiliza ao paciente orientação e acompanhamento por uma equipe interdisciplinar, a nível domiciliar, dentro dos critérios técnicos instituídos pelo médico responsável pelo caso e a operadora de saúde.

médico home care

ATUAÇÃO MÉDICA

Médico-Assistente ou Titular é o médico que já acompanhava o caso do paciente no ambulatório ou em sua hospitalização. Esse é o profissional responsável pela tomada da decisão que insere o paciente no Programa de Assistência Domiciliar que, posteriormente, é avaliado pelo médico-auditor da Operadora de Saúde que legitima a alta hospitalar do paciente.

O médico-visitador é o médico designado pelo corpo clínico da instituição prestadora de assistência domiciliar responsável pelo gerenciamento do caso e que realiza visitas periódicas em domicílio, auxiliando ou substituindo o médico-assistente, quando necessário.

 

 

Trecho do Livro: Profissionais da Saúde e Home Care.

Ano: 2017

Editora Revinter – 1ª edição

Proibido o uso do conteúdo total ou parcial, sem autorização.

Direitos reservados a BioHouse Terapias.



9 Alterações de Comportamento na Pessoa com Alzheimer:

alzheimer

1) INSÔNIA

– Procure deixar o ambiente do quarto silencioso e com pouca luz.
– Certifique-se de que a cama e as roupas usadas pelo paciente para dormir, sejam confortáveis e não esteja molhada, para que ele não se sinta apertado e não passe frio ou calor.
– Tente evitar que o paciente durma durante o dia, envolvendo-o em atividades agradáveis que afastem o sono.

2) DELÍRIOS

– O paciente com alzheimer tem a sensação de está sendo perseguido, tente explicar o que está acontecendo, onde ele está e que ninguém fará mal a ele.
– Sempre dê parâmetro de realidade explicitando fatos.
– E se uma determinada pessoa for considerada nociva, certamente será incluída no delírio e isso a afastará de qualquer possibilidade de oferecer ajuda.

3) ALUCINAÇÕES

– Em hipótese nem uma não discuta com o paciente com alzheimer sobre a veracidade do que ele está vendo ou ouvindo.
– Certifique-se que no ambiente não há algum objeto ou fator desencadeante da alucinação como por exemplos: uma planta fazendo sombra, o vento fazendo barulho na cortina, objeto de decoração que a perturbe.

4) SEXUALIDADE EXACERBADA

– Evite situações, sons e imagens que possam ocasionar estimulação sexual.
– Na hora da higiene íntima esclareça informe paciente que é o momento da higienização, explicando porque e para que do fato.
– Procure médico e ou psicólogo para identificação e solução do problema.

5) PERAMBULAÇÃO

– Na parte interna das roupas faça identificação com: nome, endereço e número de telefone.
– Esconda as chaves da casa e do carro para evitar que paciente tente sair de casa.
– Coloque nas portas e portões sinos ou até câmeras para evitar fuga do paciente.

6) AGRESSIVIDADE

– Em caso de agressividade tente mudar o foco chamando a atenção do paciente para outra coisa como paisagem, fotos, música e etc… como uma tentativa para acalma-lo.
– Proponha fazer outra atividade do tipo motora como: caminhar.
– E tente de maneira sutil descobrir o motivo da reação da agressividade e evite repetir a situação.

7) DEPRESSÂO

– A depressão necessita de tratamento psicológico e medicamentoso, não espere, pois o quadro não melhora sozinho, apenas se agravam com o tempo. O tratamento miniminiza o sofrimento do paciente.
– Sempre propicie acolhimento do paciente em meio às conversas e atividades familiares; pois exclusão apenas agrava o quadro.
– A expressão de amor, carinho e cuidado ajuda o paciente sair do quadro de depressão.

8) ANSIEDADE

– Mantenha ambiente calmo, organizado, seguro e agradável para rotina do paciente.
– Evite conversas, brigas e discussões desnecessárias na frente ou próximo do paciente.
– Evite gritar ou falar alto com paciente.
– Evite toda e qualquer agitação desnecessária no ambiente que paciente está inserido.

9) MANEJO DE SINTOMAS

– Evite reações emocionais negativas com ou na frente do paciente.
– Nunca trate o paciente com impaciência, agressividade ou ainda com irritabilidade esses sentimentos podem aumentar conflito e ocasionar no paciente repudia, distanciamento; além de gerar sentimentos de impotência, medo, tristeza, desânimo, dificuldades de lidar com perdas.
– Não trate o paciente com desprezo e indiferença.
– Nunca ignore os desejos e atitudes do paciente porque ele não se recordará depois esse fato poderá enfraquecer os vínculos e a interação social do paciente.
– A ausência de resposta favorece a passividade e pode exacerbar confusão e até agressividade.
-Não use aceitação com permissividade excessiva; tente entender as atitudes do pacientes e apresentar os riscos para aquela situação e impor postura de cuidados com imposição de limites.

“Direitos reservados ao autor do Texto. Não pode ser reproduzido sem o devido crédito parcial ou integral.”


cuidados-paliativos1-1-1200x680.jpg

O Cuidador de Idoso, como o próprio nome diz, cuida e auxilia as pessoas idosas em sua rotina e atividades diárias.

cuidador idoso

O Cuidador Infantil, ou Cuidador de Desenvolvimento Infantil, auxilia crianças compatologia ou síndrome; além de cuidar e auxiliar na rotina e atividades da criança, participa do processo escolar. Vale salientar que Cuidador Infantil não é babá ou baby sitter; são funções distintas e o cuidador infantil deve ter conhecimento de cuidados em saúde e desenvolvimento infantil.

cuidador de criança

Outro fato é que muitas famílias buscam nas ações judiciais auxiliares de enfermagem 12 ou 24 horas como instrumento de fuga da sua responsabilidade e de delegar sua obrigação de cuidar do idoso ou da criança para a operadora de saúde e não contratar o cuidador. Lembrando que o Programa de Assistência Domiciliar é para pacientes de alta complexidade e que mesmo com equipe de enfermagem no domicílio é necessária a figura do cuidador profissional ou familiar.

Funções do cuidador

  • Ajudar, estimular e realizar, caso seja indispensável, as atividades de vida diária, ou seja, as higienes pessoal e bucal, alimentação, locomoção etc.
  • Cuidar do vestuário (organizar a roupa que vai ser usada, dando sempre à pessoa idosa o direito de escolha), manter o armário e os objetos de uso arrumados e nos locais habituais; e cuidar da aparência do paciente (cuidar das unhas, cabelos) de modo a aumentar sua autoestima.
  • Facilitar e estimular a comunicação com o paciente, conversando com ele ouvindo-o; acompanhando-o em seus passeios e incentivando-o a realizar exercícios físicos, sempre que autorizados pelos profissionais de saúde, e a participar de atividades de lazer. Desta forma, ajudará a sua inclusão social e a melhorar sua saúde.
  • Acompanhar o paciente nos exames, consultas e tratamentos de saúde,e transmitir aos profissionais de saúde as mudanças no comportamento, humor ou aparecimento de alterações físicas (temperatura, pressão, sono etc.).
  • Cuidar da medicação oral do paciente em dose e horário prescritos pelo médico. Em caso de injeções,mesmo com receita médica, é proibido ao cuidador aplicá-las. Ele deverá recorrer a um profissional da área de enfermagem.
  • Estimular a autossuficiência da pessoa idosa. Por isso o cuidador deverá, sempre que possível, fazer com ela e não para ela.
  • Assistir a pessoa idosa ou com deficiência a movimentar-se dentro de sua casa.
  • Ajudar na higiene e cuidados pessoais do paciente (pentear, tomar banho etc.).
  • Procurar proporcionar conforto e tranquilizar o paciente em situações de crise (p. ex.,quando fica agitado ou ansioso).
  • Ajudar na comunicação com os outros, quando existem dificuldades para expressar-se.
  • Desenvolver atividades de estímulo/comunicação motoras e cognitivas, de acordo com orientações.
  • Auxiliar nas atividades de relações sociais.

 

Trecho do Livro: Profissionais da Saúde e Home Care.

Ano: 2017

Editora Revinter – 1ª edição

Proibido o uso do conteúdo total ou parcial, sem autorização.

Direitos reservados a BioHouse Terapias.



Qual a importância da atuação do serviço social na assistência domiciliar?

  • O atendimento Domiciliar trabalha para o bem-estar e garantia de cuidados de saúde para os pacientes.
  • O paciente e sua família trazem consigo, além da doença, problemas sociais que podem impedir ou dificultar o tratamento adequado que vise seu restabelecimento.
  • O serviço social visa realizar atendimentos e intervenções acolhedoras para o paciente e seus familiares, pois sabe-se da vulnerabilidade que a doença traz a todos os envolvidos.

OBJETIVO GERAL

  • Propiciar aos pacientes e familiares atendimento biopsicossocial, por meio de um trabalho integrado com a equipe multidisciplinar, visando acompanhamento e possibilitando ações mais efetivas e possíveis orientações e encaminhamentos.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

  • Obter dados que possibilitem a elaboração de um diagnóstico social, por entrevistas com o paciente e seus familiares, visando melhor conhecimento do mesmo, suas relações familiares e a realidade em que se encontra inserido.
  • Intervir junto a fatores socioeconômicos e psicossociais que interferem nas enfermidades.
  • Promover atendimento psicossocial aos familiares dos pacientes do atendimento domiciliar.
  • Possibilitar encaminhamentos aos recursos existentes.
  • Orientar os familiares quanto às rotinas do atendimento domiciliar, questões previdenciárias etc.
  • Refletir junto aos pacientes e familiares as suas corresponsabilidades de forma que participe consciente no processo de seu tratamento.
  • Viabilizar recursos existentes.
  • Apresentar e esclarecer ao familiar responsável o Regulamento
  • Técnico de Prestação de Serviço do Programa de Assistência Domiciliar.

CLIENTELA

  • Pacientes e familiares que cubram os critérios clínicos e critérios estabelecidos de acordo com o contrato da operadorade saúde.

METODOLOGIA

O serviço social deverá realizar visitas domiciliares para coleta das informações com a finalidade de elaborar o diagnóstico social. Com a elaboração do diagnóstico social será possível uma intervenção junto à equipe multidisciplinar para traçar o plano de cuidados para cada paciente e intermediar, junto à operadora de saúde, a problemática de cada caso.

ESTRATÉGIAS

O serviço social, juntamente com a equipe multidisciplinar, propõe um atendimento, visando o levantamento da história de vida do paciente para conhecer sua problemática, identificando situações que estejam interferindo no processo de assistência domiciliar e intervindo de forma educativa e informativa, contribuindo no processo terapêutico.

RESULTADOS ESPERADOS

  • Dar o suporte necessário em domicílio para o paciente e seus familiares.
  • Estreitar a relação da equipe com a família.
  • Identificar as dificuldades da família no cuidado com o paciente e propor estratégias para superá-las.

 

 

Trecho do Livro: Profissionais da Saúde e Home Care.

Ano: 2017

Editora Revinter – 1ª edição

Proibido o uso do conteúdo total ou parcial, sem autorização.

Direitos reservados a BioHouse Terapias.


laringe.jpg

A laringe é parte fundamental da comunicação oral, expressando por meio da voz grande parte dos sentimentos humanos.

Quando algo de anormal acontece em um dos diversos componentes da laringe e/ou em alguns dos nervos responsáveis por sua inervação, observam-se alterações que podem interferir na qualidade de vida. Dentre as principais funções desempenhadas pela laringe podemos citar: respiratória, esfincteriana e a fonatória.

A laringe é inervada pelos ramos do nervo vago (X par craniano), nervo laríngeo recorrente (inferior) e nervo laríngeo superior, os quais possibilitam a inervação motora e sensitiva da laringe. A mobilidade da musculatura intrínseca da laringe é proporcionada pela ação sinérgica dos músculos tensores (tireoaritenóideo, vocalis e cricotireóideo), adutores (cricoaritenóideo lateral e interaritenóideo) e abdutor (cricoaritenóideo posterior).

A adequação das funções respiratória, fonatória e de deglutição dependem da integridade neurofisiológica e anatômica de todas estruturas envolvidas nessas funções.

As causas mais freqüentes de paralisias da laringe são: compressivas (aneurisma da aorta ou artéria subclávia, estenose mitral, pericardite, tumores da glândula tireóide, hipofaringe, esôfago, traquéia, mediastino e dos pulmões), traumáticas por causas externas ou cirúrgicas (tireoidectomias, traqueostomias, cirurgias da laringe, após irradiação da tireóide, timo e mediastino), neurites periféricas tóxicas (mercúrio, chumbo, arsênico e álcool), infecções (escarlatina, difteria, influenza), além das causas indeterminadas (idiopáticas). São pouco freqüentes as paralisias da laringe por lesões centrais.

Cerca de 90% das paralisias da laringe são decorrentes de comprometimentos periférico dos nervos laríngeos superior e recorrente.

Os canceres são os motivos mais freqüentes da paralisia laríngea, podendo estar localizados em diferentes regiões.

laringe

As paralisias podem ocorrer por danos no nervo laríngeo superior, inferior ou ambos.  As lesões do nervo laríngeo superior geralmente passam despercebidas, devido à pobreza dos sintomas. As pregas vocais conservam os seus movimentos, porém a prega lesada fica ligeiramente arqueada e há rotação posterior da laringe para o lado da lesão.

O nervo laríngeo recorrente esquerdo encontra-se mais vulnerável à lesão quando comparado ao nervo laríngeo recorrente direito, devido ao seu trajeto mais longo.

Através do exame clínico otorrinolaringológico e por meio do exame laringológico, telelaringoscopia, nasofibrolaringoscopia ou estroboscopia laríngea é possível a observação da mobilidade da mucosa, no que se refere à simetria, amplitude, fase e regularidade de vibração, permitindo verificar a presença de imobilidade e inferir sobre uma possível causa, lembrando que a freqüência de prega vocal imóvel sem causa definida clinicamente é alta.

Aproximadamente 30% das paralisias são de origem idiopática. Na paralisia idiopática, aproximadamente 60% dos pacientes recuperam espontaneamente a mobilidade das pregas vocais, sem intervenção, por um período de 6 a 12 meses.

“Direitos reservados ao autor do Texto no livro: FONONCOLOGIA. Não pode ser reproduzido sem o devido crédito parcial ou integral das Autoras do Livro.”


home-care.jpg

O que é?

A Fonoaudiologia em Assistência Domiciliar a pacientes com limitações funcionais importantes busca manter seu estado de saúde e/ou minimizar os efeitos causados pela doença, contribuindo, desta forma, para reabilitação e/ou melhora da sua qualidade de vida e de seus familiares.

O ambiente familiar reúne as condições físicas, afetivas e sociais que são de extrema importância à recuperação do paciente.

Os cuidados no domicílio têm como principal característica a Humanização do Atendimento ao Paciente.

 

POPULAÇÃO-ALVO DA FONOAUDIOLOGIA NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

  • Atendimento infantil, adulto e idoso.
  • Pacientes acamados e/ou debilitados.
  • Pacientes sindrômicos.
  • Pacientes neuropatas.
  • Pacientes com dificuldades alimentares.
  • Pacientes oncológicos.
  • Pacientes com alterações cardiorrespiratórias.
  • Portadores de paralisia cerebral.
  • Paciente com doenças crônicas e degenerativas.
  • Paciente com doenças neurológicas.
  • Pacientes pós-AVC (acidente vascular cerebral).
  • Idosos em geral.
  • Pacientes cuja patologia ou condições físicas impeça-os de deslocar-se até o atendimento clínico especializado.
  • Pacientes clinicamente estáveis que não mais necessitam dos serviços oferecidos pelos hospitais e que precisam dar continuidade ao tratamento fonoaudiológico, seja de alta, média e baixa complexidade de saúde.

 

Trecho do Livro: Profissionais da Saúde e Home Care.

Ano: 2017

Editora Revinter – 1ª edição

Proibido o uso do conteúdo total ou parcial, sem autorização.

Direitos reservados a BioHouse Terapias.


6.jpg

Ao recebermos um paciente com diagnóstico de paralisia da prega vocal primeiramente devemos realizar uma anamnese.

Um fator importante nesse primeiro momento é sabermos qual a etiologia da paralisia, se congênita, iatrogênica, idiopática, neurológica ou viral.
Frequentemente, neste primeiro contato, o paciente já possui uma avaliação laringológica filmada sem ou com estroboscopia, a qual permite ao fonoaudiólogo uma visão mais minuciosa do caso em questão.

Avaliação fono

Anamnese

Durante a anamnese, obteremos os dados de identificação do paciente, do encaminhamento, da queixa e do período de duração da alteração funcional. É um excelente momento para se deixar o paciente mais à vontade e assim se iniciar o vínculo da relação terapeuta-paciente. É importante se observar  além das palavras do paciente, alterações na expressão facial, na postura, na ênfase, na inflexão e na prosódia. Outro fator relevante a se observar é a linguagem corporal e a disponibilidade do paciente no seu processo de reabilitação.

Muitas vezes, o paciente vai à procura de um tratamento fonoaudiológico induzido por terceiros, como amigos e familiares. Em relação à queixa, é importante se observar o quanto realmente a alteração está incomodando o paciente. Muitas vezes, durante esse primeiro contato não valorizamos corretamente a queixa do paciente e isso seguramente pode interferir diretamente no processo de reabilitação. É importante sabermos como se iniciou os sintomas, se de forma repentina ou gradual e se as alterações apresentam picos de melhora ou piora.

Embora esse paciente venha encaminhado devido a alterações vocais, respiratórias e/ou de deglutição, devemos interrogá-lo a respeito da sua saúde geral, visto que essas funções dependem da integridade e sincronia de muitos outros órgãos. Assim, é importante o questionamento de queixas ou doenças relacionadas ao sistema respiratório, neurológico, endócrino, cardíaco e gástrico. Se faz uso de medicamentos e se já realizou cirurgias anteriores.

Investigação

Saber se há antecedentes familiares e pessoais em relação a sua queixa principal, se já houve anteriormente quadros de disfonia, disfagia e/ou de alterações respiratórias. Deve-se caracterizar qual o tipo de tratamento empregado, se medicamentoso, cirúrgico, fonoterápico ou psicológico e os resultados obtidos.

Outro fator a ser investigado é quanto aos hábitos de vida, se tabagista, etilista, se realiza abuso ou mau uso vocal, se é esportista e quais as atividades de lazer. Quanto mais conhecermos os hábitos de vida do paciente melhor conseguiremos adequá-lo ao processo de reabilitação, pois muitas das vezes podemos associar atividades prazerosas ao paciente com a realização de algumas técnicas terapêuticas.

“Direitos reservados ao autor do Texto no livro: FONONCOLOGIA. Não pode ser reproduzido sem o devido crédito parcial ou integral das Autoras do Livro.”


higiene_idosos.jpg

7 dicas de cuidados com Higiene e Aparência do Paciente

 

Cuidados com higiene pessoal e aparência.

 

Os cuidados com higiene pessoal e aparência são de extrema importância para saúde e bem-estar do paciente; tendo também um papel de relevância na autoestima na apresentação social do mesmo e com impacto direto na interação social com as pessoas.

Chuveiro banho

O banho está intimamente ligado à assepsia e controle na proliferação de doenças; sendo necessário diariamente ou quando ocorrer alguma necessidade imediata ocasionada por algum imprevisto.

  • Organize rotina de higiene com horário pré-estabelecido para o banho. Caso paciente recuse o banho naquele momento, aguarde um pouco mais; porém nunca deixe de fazê-lo, seja incisivo.
  • Simplifique o banho o máximo possível, tornando-o breve; deixe todos os produtos no banheiro e próximo à mão e na ordem de uso.
  • Faça uso do chuveiro ou ducha manual, evite banheira apenas para caso que paciente não tenha comprometimento motor e com supervisão de um profissional ou familiar para ajuda-lo. Certifique a temperatura que saí do chuveiro está adequada ao paciente.
  • Permita que o paciente usufrua do banho e se banhe com a maior autonomia possível. Auxilie apenas no que for necessário.
  • Supervisione o uso adequado da escova de dente e a higiene bucal e das próteses dentárias
  • Permita que antes do banho a pessoa escolha suas roupas, perfume e cremes e oriente o mesmo quanto às combinações estéticas viáveis e adequadas para a estação e a temperatura.
  • Antes de adentrar ao banheiro deixe roupa na ordem de colocação, para que o paciente possa vestir-se sozinho. E permita que paciente se enxugue e possa penteia o cabelo sozinho.  Caso ele não consiga auxilie dando as instruções por etapas no caso peça por peça; se mesmo assim a dificuldade persistir, ajude-o solicitando ao máximo sua participação.higiene, cuidados

O texto é de Autoria Dra. Elizangela Aparecida Barbosa, fonoaudióloga e gestora da Franquia BIOHOUSE Terapias.

“Direitos reservados ao autor do Texto. Não pode ser reproduzido sem o devido crédito parcial ou integral.”


Você profissional de uma das seguintes áreas venha ser um franqueado: fonoaudiologia, fisioterapia, nutrição, psicologia e terapia ocupacional.

Notícias Recentes

Copyright BiohouseTerapias 2019. Todos os direitos reservados