Blog

CLASSIC LIST

imagem-ilustrativa-fonoaudiologia.jpg

Distúrbio Articulatório

Distúrbio Articulatório correspondem a dificuldades relativas à aprendizagem dos sons ou fonemas da língua portuguesa.
No Código Internacional das Doenças – CID 10 o Distúrbio Articulatório está englobado em F- 80 – Transtornos Específicos do Desenvolvimento da Fala e da Linguagem.

O Distúrbio Articulatório pode acontecer por dois desvios, o desvio fonético ou desvio fonológico; vejamos abaixo as diferenças:

O Desvio Fonético: é alteração no órgão fonoarticulatório como na musculatura da língua, bochecha, lábios etc.
O Desvio Fonológico: são alterações que o individuo causa nas regras da língua portuguesa como por exemplos: alterações de semântica, sintaxe  etc.

Os tipos de alterações Articulatórias são: omissão, substituição, distorção, adição e transposição.

A Omissão: ocorre quando um fonema não é produzido exemplo: SAPATO a criança fala /apatu/ ou para palavra CHUVA  emissão saia /uva/.
A Substituição: ocorre quando um som é substituído por outro exemplo:  BOLA a criança fala /boia/ ou para nomear objeto como CANECA fala /kakeka/.
A Distorção: ocorre quando a criança na produção de um determinado som é alterado de modo que resultado desta seja um som aproximado. Exemplo:  para palavra SALA a emissão aparece o ceceio  e emissão fica /chala/ ou CEBOLA emite /chebola/.
A Adição: ocorre quando o som que não fazem parte do vocábulo é acrescentado. Vejam os exemplos: para emissão da palavra PEDRA a criança fala /peuda/ ou para palavra BLUSA emite /bulusa/.
A transposição: acontece quando a ordem da produção é alterada exemplo: para fala CADERNETA  emite / cardeneta/ ou para falar PÍLULA  emite /pirula/.
Observação: o mais comum em crianças é a substituição e a omissão.

Classificação das Alterações Articulatórias:

Plosivação: palavra é FACA emite /vaca/ ou para VELA e emite /fela/.
Frontalização de Velar: palavra é GARFO e emite /daifu/.
Posteriorização de Velar:  palavra é TATU e emite /kaku/.
Frontalização do Palatal: palavra é SAPO e emite /dapu/.
Posteriorização de Palatal: palavra é SAPO e emite /chapo/.
Simplificação de Liquidas:  palavra é LÁPIS e emite /yapis/.
Simplificação de Encontros Consonantal: palavra é PRATO e emite /pato/ ou /plato/.
Eliminação da Consoante final: palavra é PORCO e emite /poku/ ou /poyku/.
Ensurdecimento de Plosivas: palavra é POLO e emite /bolu/.
Ensurdecimento de Fricativas: palavra é FITA e emite /vila/.

Distúrbio Articulatório

Como Tratar Distúrbio Articulatório?

O Distúrbio Articulatório é tratado pelo profissional fonoaudiólogo que realiza avaliação para entender os processos e dificuldades de cada individuo as sessões de fonoterapias são semanais uma ou duas vezes por semana  40 minutos cada sessão  e com duração média  doze a quinze meses podendo ter variações de caso para caso. O empenho da criança e envolvimento da família é fundamental para evolução e reabilitação dos processos de fala e linguagem.

“Direitos reservados ao autor do Texto. Não pode ser reproduzido sem o devido crédito parcial ou integral.”

 


1456388451105.png

O Home Care surgiu, primeiramente, nos Estados Unidos (EUA) no período pós-guerra, mediante a necessidade dos familiares de cuidar de seus doentes em casa. Após esta fase inicial, houve a inserção dos profissionais especializados e terapeutas para este cuidado.
A procura excessiva por serviços de saúde e a intencionalidade para internações hospitalares em conjunto com a escassez destes serviços propiciou e colaborou para a transformação do cuidado domiciliar. Essa modalidade de atendimento tornou-se gradativamente organizada.
Em 1796, o Home Care começou a ser arranjado, primeiramente prestando cuidados aos pobres e enfermos, nos Estados Unidos da América, objetivando o tratamento destes pacientes em casa, em vez de hospitalizá-los.Nestamesma época, o hospital ainda era considerado um local insalubre, onde os acometidos por pestes e os pobres aguardavam a morte.
A primeira referência da forma organizada da Assistência Domiciliar em Saúde (ADS) foi o Dispensário de Boston, em 1976, hoje denominado New England Medical Center. Liderado por Lílian Wald, foi criado em 1850 o programa que, mais tarde, denominou-se Public Health Nurse, ou seja, Enfermeira da Saúde Pública.

A Metropolian Life Insurance Company, conhecida também como MetLife, é uma das mais antigas companhias de seguros dos Estados Unidos, criada em 1863 por um grupo de empresários em Nova York. No início, esta empresa oferecia somente seguros de assistência à vida. Mais tarde incluiu serviços dentários.

O Plano de SaúdeMetropolian Life Insurance Company aceitou esse desafio mediante a ideia de Lílian Wald, enfermeira que iniciou o serviço de enfermeiras visitadoras em Nova York e colaborou com a abertura da primeira escola de enfermagem em tempo integral. Ela acreditava que as enfermeiras visitantes poderiam contribuir na reduçãodos gastoscomusuários enfermos.

A Cruz Vermelha ampliou o programa de enfermeiras visitantes para a área rural em 1912. O final da I Guerra Mundial propiciou o aumento das enfermeiras visitantes emtodos os países, e a Cruz Vermelha ampliou esta função para todas as suas filiais. O plano de saúde Metropolian Life Insurance Company contratou várias enfermeiras para o desempenho dessa atividade.

home care

No primeiro momento de atuação da enfermagem em domicílio dava-se ênfase às doenças contagiosas.

A partir de 1950, as doenças contagiosas, diante do trabalho realizado pelas enfermeiras visitantes e comunitárias, diminuíram expressivamente. O foco do trabalho,então,começou a ser os doentes crônicos.

As doenças crônicas inviabilizavam a vida do indivíduo, que, na maioria das vezes,necessitava de longa permanência no leito, acarretando total dependência no desenvolvimento de ações, surgindo, com isso,problemas sociais e econômicos, e,principalmente, de saúde.
No período compreendido entre os anos de 1925 e 1929, a taxa de mortalidade urbana e as doenças infectocontagiosas começam a diminuir nos EUA e a principal causa de mortalidade passa a ser as doenças crônicas degenerativas.

Os hospitais começam a ficar lotados por esses pacientes que optam pela internação para tratamento de tais moléstias. O Home Care ainda é uma opção de tratamento, mas, progressivamente, nesse período diminuem, e muito, seus serviços, sendo substituído pela permanência dos pacientes em hospitais.

Houve a centralização e o aumento de pacientes nos hospitais, principalmente no período entre 1930 a 1954 nos EUA, o que fez com que o trabalho das enfermeiras comunitárias e visitantes declinasse. O Plano de Saúde Metropolian Life cancelou o programa de enfermeiras visitantes, e a Cruz Vermelha também.
A partir do ano de 1955 até 1964 houve grande questionamento sobre os custos dos pacientes para os Planos de Saúde. Como as internações aumentaram, verificou-se que os custos para manter um paciente internado eram superiores àqueles para mantê-lo em tratamento domiciliar.

Paralelamente ao aumento das internações, a taxa de doenças crônicas na população aumentava consideravelmente e o número de pacientes idosos também. Neste contexto, mais uma vez o Home Care aparece como modalidade de assistência à saúde da população, demonstrando qualidade nos serviços com menor custo.
Em 1965, o plano de saúde Medicare, nos EUA, por meio de sua legislação,começou a prover aos seus usuáriosos serviços de Home Care especializados e terapias de natureza curativa ou de reabilitação para os idosos. O serviço de Home Care oferecido pelo Medicare era contratado por uma empresa terceirizada.

O Home Care, nos EUA, começou a ser visto pelos planos de saúde como uma forma de reduzir custos com seus usuários. Assim,no período entre 1970 e 1985, muitas outras empresas de Home Care foram abertas e em 1982 foi fundada a Associação Nacional para Home Care. Essa associação objetivava defender os interesses das empresas credenciadas e promoveu esclarecimento à população na mídia frente ao tratamento do paciente em Home Care. Observou-seque,quanto menos dias os pacientes permaneciam internados, mais os serviços de Home Care eram utilizados pela população. O conhecimento frente ao Home Care também aumentoumuito por parte da população.

 

 

Trecho do Livro: Profissionais da Saúde e Home Care.

Ano: 2017

Editora Revinter – 1ª edição

Proibido o uso do conteúdo total ou parcial, sem autorização.

Direitos reservados a BioHouse Terapias.


importancia-assistencia-domiciliar.jpg

Qual pode ser a participação da família na assistência domiciliar?

Para a maioria dos pacientes do Programa de Assistência Domiciliar, a participação da família em sua recuperação é uma influência positiva, não só do ponto de vista clínico, mas também do psicológico, uma vez que a tendência é sempre uma colaboração mais eficiente entre profissionais de saúde, família e paciente.

Nos casos de internação domiciliar, isto é, quando o paciente tem uma condição mais grave e alto grau de dependência, a colaboração familiar continua sendo importante; no entanto, seus membros devem preparar-se para significativas alterações de sua rotina doméstica. Principalmente nos casos de doenças crônicas ou incapacitantes, a convivência com o paciente pode gerar dor e sofrimento nos entes queridos.

Algumas concessões de privacidade também são necessárias para permitir a presença da equipe de profissionais de saúde dentro da residência. É preciso que um familiar esteja sempre disponível, evite ausência prolongada e mantenha o alerta frente a uma possível piora do estado de saúde do paciente.

participação familiar

Tais pressões podem requerer apoio psicológico e, por isso, o psicólogo ou o assistente social podem, quando necessário, integrar a equipe de Home Care. Algumas vezes o envolvimento compulsivo da família, a sensação de culpa ou estorvo podem gerar conflitos que afetem a relação comos profissionais e com o próprio paciente.

Além disso,os familiares devem estar conscientes do grau de complexidade da doença e ter noção dos possíveis insucessos do tratamento. Independentemente da evolução do paciente, a família e, sobretudo, o cuidador precisam estar seguros de que estão contribuindo da melhor maneira possível e cientes de que medidas “heroicas”, além de desgastá-las emocionalmente, podem não ter resultado prático.

 

Trecho do Livro: Profissionais da Saúde e Home Care.

Ano: 2017

Editora Revinter – 1ª edição

Proibido o uso do conteúdo total ou parcial, sem autorização.

Direitos reservados a BioHouse Terapias.


pscico-home-1200x1200.png

O que é a avaliação inicial ou anamnese?

Para iniciar qualquer tratamento na área da saúde a pessoa logo após agendamento da consulta necessita passar pela Avaliação Inicial ou Anamnese: é quando profissional vai preencher um questionário que tem história do paciente quando criança, fatores como: gestação, parto, pós-parto e desenvolvimento infantil, são fundamentais para profissional ter uma noção da vida daquele sujeito; assim também analisar o contexto que aquela família vive e sua dinâmica familiar, rotina, aspectos emocionais, culturais, sócio-econômico e psicológico entre outros.
É na avaliação inicial que os exames e encaminhamentos são vistos de maneira detalhada e caso necessário são feitos novos encaminhamentos e exames.
Avaliação é o momento que o profissional examina e faz alguns testes de acordo com cada patologia e olhar clínico e a experiência profissional são fatores fundamentais para diagnóstico ou para traçar o planejamento de tratamento para cada paciente respeitando fatores individuais como: idade e aspectos: sócio-econômico, culturais, limitação física, emocional e psicológica. O tratamento difere para cada caso; mesmo em doenças mais comuns.
Vale salientar que o olhar do profissional deve ser personalizado para cada indivíduo mesmo nas doenças mais comuns.
Em casos mais complexos avaliação pode acontecer em partes em várias consultas ou sessões e em caso de diagnóstico em aberto avaliação é constante; pois olhar do profissional tem que esta atento a cada detalhe em cada sessão.
Avaliar é planejar quais serão os próximos passos para aquela patologia e como aquele profissional ou aquela equipe irá conduzir o caso.

avaliaçãou ou anamnese

Mudança de tratamento:

Caso paciente mude de tratamento, de estado, país e etc; deverá submeter-se uma nova avalição inicial cada profissional ou equipe de saúde deverá traçar um planejamento o paciente pode até apresentar relatório de avaliação, porém será traçado um novo planejamento cada profissional tem jeito de desenvolver seu trabalho e carrega experiências profissionais distintas são vidas tratando de vidas. Então não existe programação como as de um computador sequenciada o profissional pode até seguir mesma técnica, método etc, porém execução difere pois as pessoas não são iguais.
É importante cada ciclo do tratamento profissional realizar Re-avaliação para mensurar evolução do tratamento e eficácia do método.
A família ou paciente tem direito de buscar uma nova avaliação ou até mesmo a recusar tratamento; cabe profissional compreender momento e os aspectos psicológico daquela família ou paciente.
No caso de reabilitação, não existe reabilitação de uma sessão ou fazer uma avaliação sair curado; nada disso existe; após diagnóstico existe tratamento para casos de doenças curáveis ou em caso de doenças incuráveis acompanhamento para retardar evolução da doença.
O profissional de saúde não faz milagres, apenas atua dentro da sua área de estudo e conhecimento.
Na área da saúde não existe avaliação grátis. Os conselhos profissionais entendem que, para o profissional atender bem um paciente foram anos de estudos, pesquisas e congressos; no qual teve um custo. Dessa forma existem leis que fiscalizam e legislam atuação de cada profissional e no qual ele tem o dever de cobrar pelo seu trabalho.
E caso você encontre por aí profissionais que oferecem serviços grátis desconfie pois, se ele não tem boa conduta com a profissão, ele terá boa conduta com o paciente? Faça essas perguntas: Ele agirá de forma ética? Será que essa pessoa tem registro profissional? Será que esse profissional tem algum tipo de processo no conselho ou na justiça? Então pegue nome e número de registro profissional e consulte.
E fuja de profissionais que não respeitam as leis, ele também não irá te respeitar como paciente.

Texto autoria: Dra Elizangela Aparecida Barbosa CRFa 16.023
Proibido a reprodução ou plágio sem autorização prévia da autora.

 


home-care-1.jpg

Como surgiu o Home Care?

No ano de 1968, os serviços domiciliares no Brasil estavam, em sua maioria, restritos à vigilância epidemiológica materno- infantil. O Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo estruturou-seeiniciou suas atividades de visitação em domicílio.

Em 1986 foi fundada no Brasil a primeira agência de Home Care, chamada “Geriátricas Home Care”. Localizada no Rio de Janeiro, iniciou seus atendimentos com exclusividade para o Plano de Saúde Amil.
Quatro anos depois, em 1990, foi aprovada a Lei 8.080,em 19 de setembro,que trata das condições para promoção, proteção e recuperação da saúde da população, como também a organização e o funcionamento de serviços correspondentes, dando outras providências e regulamentando a assistência domiciliar no Brasil.

Em 1994 foi criada a Fundação de Home Care pela Volkswagen no Brasil e, em 1995, foi fundada a Associação das Empresas de Medicina Domiciliar – ABEMID. Um ano depois, em 1996, constituiu- se o NADI (Núcleo de Assistência Domiciliar Interdisciplinar) do Hospital das Clínicas de São Paulo.
A atenção em torno da assistência domiciliar foi aumentando gradativamente e, em 1998, ocorreu o I Simpósio Brasileiro de Assistência Domiciliar – SIBRAD. Neste encontro foram discutidos os aspectos mais importantes relacionados com a assistência domiciliar e pela primeira vez houve um debate sobre os modelos de assistência domiciliar nos setores público e privado.

Com a expansão dos serviços de atendimento domiciliar, passou a existir a necessidade de emissão de resoluções sobre a adequação dos profissionais para realização da função. Em 2002, o Conselho Federal de Enfermagem e o Conselho Federal de Farmácia e, em 2003, o Conselho Federal de Medicina aprovaram resoluções referentes à assistência domiciliar.

Regulamentação:

Também em 2002 o Conselho Federal de Enfermagem aprovou a resolução número 270, que definiu a regulamentação para que as empresas prestassem serviços de enfermagem domiciliar Home Care. No mesmo ano, o Conselho Federal de Farmácia editou a resolução número 386, em 12 de novembro, na qual dispõe sobre as atribuições do farmacêutico no âmbito da assistência domiciliar.

Posteriormente, em 2003, o Conselho Federal de Medicina aprovou a resolução número 1.668/2003 que dispôs sobre as técnicas necessárias à assistência domiciliar do paciente, definindo as responsabilidades e a interface multidisciplinar neste tipo de assistência.

No mesmo ano de 2003, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) publicou a Consulta Pública número 81, de 10 de outubro de 2003, relacionada com a prática da assistência domiciliar no Brasil e, em 2006, a ANVISA publicou a resolução RDC nº 11, que estipula as regras para o funcionamento de serviços de saúde que prestam atendimento domiciliar.

A partir da publicação da RDC nº 11, os serviços de saúde com atendimento domiciliar começaram a ser fiscalizados e, consequentemente, mais bem estruturados, já que passaram a seguir normas de funcionamento. O estudo completo desta resolução consta no próximo módulo.

Em maio de 2003 foi criado o Núcleo Nacional das Empresas de Serviços de Atenção Domiciliar – NEAD, com a finalidade de contribuir com o fortalecimento da modalidade de Home Care no Brasil.

No Brasil, o Home Care foi regulamentado pela Anvisa por meio da Resolução nº 11 em 26 de janeiro de 2006.

As operadoras de saúde não possuem legislação da Agência Nacional de Saúde que regulamente torne obrigatória a oferta de Atenção Domiciliar aos seus beneficiários ou conveniados, porém, em função dos benefícios que a modalidade oferece, principalmente no que diz respeito à redução de custos para os responsáveis pelo pagamento das contas hospitalares, a oferta desse tipo de atenção tornou-se prática incorporada nas 2 últimas décadas.

home care

O que seria a Assistência Domiciliar – ou Home Care ?

O serviço de Assistência Domiciliar tem como objetivo evitar a permanência hospitalar prolongada do paciente,a interrupção no processo da atenção e o distanciamento dos profissionais envolvidos em sua recuperação.
O serviço visa a estabilidade clínica e a superação do grau de dependência do paciente, reunindo no conforto domiciliar os cuidados e a atenção especializados.

A Assistência Domiciliar – ou Home Care – no Brasil, em suas modalidades (visita, atendimento e internação), trata-se de um modelo de cuidado médico e multiprofissional que tem por objetivo levar ao paciente, em seu domicílio,estrutura e processos assistenciais semelhantes aos oferecidos por uma instituição hospitalar.
Esses serviços resultam em menor custo para o responsável por seu pagamento emaior conforto e comodidade ao paciente e sua família.

No entanto, o modelo de assistência domiciliar ainda passa por reformulações, sendo uma prática quase exclusivamente terapêutica, baseada na medicina assistencial, reabilitadora ou paliativa, reativa a umproblema de doença já instalado, passa a receber demandas para incorporar em suas ações a promoção de saúde e as evidências damedicina preventiva.

 

Trecho do Livro: Profissionais da Saúde e Home Care.

Ano: 2017

Editora Revinter – 1ª edição

Proibido o uso do conteúdo total ou parcial, sem autorização.

Direitos reservados a BioHouse Terapias.


Você profissional de uma das seguintes áreas venha ser um franqueado: fonoaudiologia, fisioterapia, nutrição, psicologia e terapia ocupacional.

Notícias Recentes

Copyright BiohouseTerapias 2019. Todos os direitos reservados