Blog

CLASSIC LIST

o-desenvolvimento-motor-na-infância.jpg

Agora vamos falar dos marcos de desenvolvimento motor desde o primeiro mês de vida até os 4 anos; onde separamos entre desenvolvimento motor grosso e fino.
O desenvolvimento motor grosso envolve os maiores grupos musculares e são responsáveis pelos movimentos de andar, sentar, sustentar a cabeça.
O desenvolvimento motor fino está relacionado com os movimentos de pinça e preensão.

Vamos dividir por etapas de 0 a 18 meses e de 2 a 4 anos, para melhor entendimento.

1 mês:
Motor grosso: move as mãos e os pés ao mesmo tempo
Motor fino: abre os dedos ligeiramente quando em repouso

2 meses:
Motor grosso: levanta a cabeça e o peito em posição prona
Motor fino: abre e fecha as mãos, e por breves períodos deixa as mãos juntas

Entre 3 e 4 meses:
Motor grosso: nessa fase a criança leva as mãos à boca com frequência, começam a rolar
Motor fino: inicia movimento de abrir e fechar as mãos, consegue prensar um objeto e levar até a boca.

Entre 5 e 6 meses:

Motor grosso: rola por completo, senta-se com apoio e brevemente sem apoio
Motor fino: consegue pegar objetos e passar de uma mão para outra, bate os brinquedos na mesa ou no chão e sorri com o som emitido

Entre 7 e 9 meses:
Motor grosso: senta sem apoio, engatinha e ameaça passos com apoio
Motor fino: balança objetos (por ex chocalho), joga objetos intencionalmente, pega alimentos para comer com três dedos.

1 ano:
Motor grosso: começa a “andar”, dando os primeiros passos, muitas vezes com apoio ainda, e aos poucos consegue ficar sem, se mantém em pé sozinho.
Motor fino: pega objetos com dois dedos (pinça aberta), consegue colocar e tirar objetos de um lugar

15 meses:
Motor grosso: anda sozinho, pára e continua andando novamente; pode agachar para pegar um objeto e levantar sem apoio novamente
Motor fino: tira e coloca tampas de panelas e potes, com o indicador aperta um interruptor, pode rasgar as páginas de um livro. Monta uma torre de 2 cubos

18 meses:
Motor grosso: se você chutar uma bola, ele pode fazer igual por imitação.
Motor fino: monta uma torre com 3 a 4 cubos, explora toda a sua casa, querendo abrir portas e gavetas

O desenvolvimento de 2 a 4 anos:

Entre 24 e 30 meses:
Motor grosso: corre, sobe escadas com ajuda de um adulto, um degrau por vez; abre portas
Motor fino: consegue usar colher para comer e segura bem o seu copo.

Entre 36 e 42 meses:
Motor grosso: alterna os pés para subir escadas, consegue pedalar um triciclo,
Motor fino: come sozinho, calça os sapatos sozinho

48 meses:
Motor grosso: pula em um pé só, anda de bicicleta
Motor fino: segura e pinta com lápis, faz desenhos, escova os dentes sozinho

É muito importante que os pais apoiem seus filhos a cada conquista do seu desenvolvimento. Para isso sempre encoraje-o e dê novas atividades a ele, afim de estimular seus sentidos e o fazer progredir. Se a criança sentir confiança, terá mais força para avançar. Lembre-se que aqui estamos falando de idades médias para cada conquista, o que pode variar de criança para criança, e é por isso que o acompanhamento regular com o pediatra é imprescindível.

Nossa missão reabilitar e lhe proporcionar o melhor atendimento venha para Clínica BIOHOUSE Terapias nossas especialidades são: fonoaudiologia, nutrição, psicologia, terapia ocupacional e fisioterapia.

Nosso endereço: Rua Brigadeiro Tobias, 118 Sala 2403 – andar 24 – Centro de São Paulo – SP.


desenvolvimento-motor-infantil.png

O desenvolvimento motor(infantil) é o processo de mudança no movimento da criança, que envolve alterações complexas onde participam todos os aparelhos e sistemas do organismo.
O desenvolvimento motor não é regra, pode variar de criança para criança, mas existe um tempo máximo; devendo sempre ser acompanhado pelo pediatra afim de detectar atrasos e patologias precocemente.
Um adequado desenvolvimento motor repercute no futuro da criança em aspectos sociais e intelectuais.
Durante a primeira infância, é importante estimular com brinquedos próprios para cada idade, inicialmente com chocalhos ou tapetes de atividades por exemplo; pois nessa fase o desenvolvimento das habilidades acontece rapidamente.

Existem inicialmente, alguns reflexos primitivos que são respostas automáticas e estereotipadas a um determinado estímulo externo. Esses, estão presentes desde o nascimento mas devem ser inibidos ao longo dos primeiros meses, quando surgem os reflexos posturais. A sua presença demonstra integridade no sistema nervoso central, porém sua persistência em idades inadequadas pode demonstrar disfunção neurológica. Todos devem ser realizados pelo pediatra na primeira consulta após o nascimento.

São eles:

Reflexo de moro: observa-se extensão e abdução dos membros superiores, seguida por choro, quando estimulados seus braços ou involuntariamente também. Desaparece por volta de 3 a 4 meses.

Reflexo de busca: desencadeado por estimulação da face ao redor da boca. Observa-se rotação da cabeça na tentativa de “buscar o objeto”

Sucção reflexa: desencadeado pela estimulação dos lábios quando se coloca por exemplo o dedo indicador com luva na boca do bebê. Sua ausência é sinal de disfunção neurológica.

Reflexo tônico cervical de Magnus e de Kleijn, ou reflexo de esgrimista: ocorre a rotação da cabeça, enquanto a outra mão do examinador estabiliza o tronco do recém nascido. Observa-se a extensão do membro superior ipsilateral à rotação e flexão do membro superior contralateral.

Preensão palmar: quando o examinador faz uma pressão na palma da mão, observa-se a flexão dos dedos.

Preensão plantar: quando se faz uma pressão na base dos artelhos, observa-se a flexão dos dedos.

Apoio plantar: Segurar o recém nascido pelas axilas, desencadeia seu apoio dos pés sobre uma superfície dura,

Marcha reflexa: quando a criança obtém o apoio plantar, incline o tronco do recém nascido um pouco para frente, que observará o cruzamento das pernas, uma em frente à outra.

Reflexo de colocação (Placing): o bebê estando seguro pelas axilas, é feito um estímulo tátil em seu dorso do pé, observando uma elevação do mesmo como se estivesse subindo um degrau de escada.

Manobra de Barlow e Ortolani não são reflexos primitivo e sim manobras realizadas no recém nascido para avaliar displasia de quadril. Devem ser enfatizado ainda no berçário e na primeira consulta com o pediatra. A displasia no quadril pode ser uma anormalidade no tamanho, morfologia orientação anatômica ou organização da cabeça femoral, cavidade acetabular ou ambos.

Nossa missão reabilitar e lhe proporcionar o melhor atendimento venha para Clínica BIOHOUSE Terapias nossas especialidades são: fonoaudiologia, nutrição, psicologia, terapia ocupacional e fisioterapia.

Nosso endereço: Rua Brigadeiro Tobias, 118 Sala 2403 – andar 24 – Centro de São Paulo – SP.


Franquia-BioHouse-Ambiente-Interno-Mesa-e-cadeiras.png

Olá você busca atendimento de fisioterapia para você ou algum familiar com qualidade de atendimento e preço justo e popular? Você encontrou!  É aqui na BIOHOUSE TERAPIAS somos primeira franquia de reabilitação do Brasil nosso atendimento é pautado na empatia; ou seja nos colocamos no seu lugar, tratamos como gostaríamos de ser tratado com respeito, qualidade, conhecimento e muito, mais muito Amor …. Afinal somos apaixonados em reabilitar pessoas e proporcionar qualidade de vida, bem-estar, independência  para cada um de nossos pacientes.

Caso você esteja cansado, dos atendimentos deficitários que encontrou por aí venha para BIOHOUSE e você sentirá diferença desde à primeira sessão.

A nossa Clínica BIOHOUSE TERAPIAS, está no centro de São Paulo em um prédio histórico Palácio Zarzur ou  Mirante do Vale  nome da sua fundação inicial, estamos próximo estação São Bento e Anhangabaú  do metro  ao lado do Viaduto Santa Ifigênia.

O centro de São Paulo, está em processo de revitalização diríamos reabilitação urbana diante desse quadro a fundadora BIOHOUSE  a Dra Elizangela Barbosa, aderiu plano diretor da cidade de São Paulo e decidiu que  a sede da franquia e a Clínica seria no Centro de São Paulo, aderimos reabilitação do espaço urbano; já que reabilitamos pessoas aderência total desse projeto inovador, visionário e pioneiro. Somos apaixonados por reabilitar acreditamos que tudo muda quando mudamos, queremos um mundo melhor, temos propósito e impacto social em nossas ações, atendemos com preço justo e popular para atender boa parte da população.

Nossa localização:

O edifício Mirante do Vale (Palácio ZARZUR)  é um arranha-céu localizado na cidade de São Paulo, no Brasil. Por 48 anos, foi o maior edifício do país, além de ter sido o 18.º arranha-céu mais alto da América do Sul, com 170 metros de altura. Projetado pelo arquiteto Waldomiro Zarzur, sua construção começou em 1960 e foi inaugurado em 1966. O imponente edifício tem 51 andares e a Clínica BIOHOUSE está localizada em meados da edificação no 24 andar com uma vista  exuberante para Vale do Anhangabaú, corredor norte e sul, 23 de maio, avistando as antenas de TV lá da região da Avenida Paulista.

Nossa missão reabilitar e lhe proporcionar o melhor atendimento venha para Clínica BIOHOUSE Terapias nossas especialidades são: fonoaudiologia, nutrição, psicologia, terapia ocupacional e fisioterapia.

Nosso endereço: Rua Brigadeiro Tobias, 118 Sala 2403 – andar 24 – Centro de São Paulo – SP.

E atendemos também atendimento domiciliar (home care), o custo deslocamento é passeado no CEP de atendimento entre em contato pelo nosso WhatsApp (11) 96497-8157 e passamos valor da consulta.  Agende sua consulta!



O Coanching é uma ferramenta muito utilizada na área da saúde e em especial nas terapias de saúde, vejamos:

O Coaching é uma palavra inglesa que vem de carruagem, das palavras “coche” (inglês medieval) e “coach” (inglês atual).A palavra sempre deu a ideia de levar ou transportar, mas coaching tem hoje o sentido de treinar, de ajudar as pessoas a se dedicarem e a terem motivação e entusiasmo no cumprimento de seus objetivos e metas.

Coaching é um processo, com início, meio e fim, definido em comum acordo entre o coach (profissional) e o coachee (cliente) de acordo com a meta desejada pelo cliente, onde o coaching apoia o cliente na busca de realizar metas de curto, médio e longo prazo, através da identificação e uso das próprias competências desenvolvidas, como também do reconhecimento e superação de suas fragilidades.

Coaching é uma ferramenta que deve ser estudada e utlizada pelo fonoaudiólogo; porém devemos ficar cientes que é um instrumento de auxilio a fonoterapia e não de substituição da mesma.
No coaching o cliente e treinador formam uma parceria para cria uma sinergia e um “momentum” que possibilita ao cliente a ser melhor pessoa possível.
O processo de coaching só vai funcionar se colocado em prática juntamente com seu coach, que o acompanha no que vem fazendo em prol daquilo que você mesmo determinou que iria alcançar, para com isso ter êxito.

Os objetivos do Coaching: 

– Uma forma de estímulo e acompanhamento a longo prazo, adaptada às necessidades de desenvolvimento pessoal.
– Acompanhamento profissional de pessoas em diferentes profissões e contextos.
– Contribuição para a configuração de sistemas de trabalho e de instrução.
– Contribuição para a estabilização e o desenvolvimento contínuo do procedimento profissional e pessoal.
– Fomento para a motivação, o rendimento, a capacidade de comunicação e o sucesso, aproveitando as capacidades e os conhecimentos comuns do coach e do cliente.
– Medida inovadora do desenvolvimento de recursos humanos e instrumento para desenvolver a capacidade de aprendizagem.
Tipos de coaching: Life Coaching, Heath Coaching, Wellness Coaching, Vocal Coaching, Coaching de comunicação, Neurocoaching entre outros.

As 4 Metas do Coaching:

• Eu preciso – reconhecer a necessidade de aperfeiçoamento em determinada área;
• Eu quero – o aperfeiçoamento em determinada área;
• Eu posso – Identificar que financeiramente ou por outras variáveis, se pode realizar esse aperfeiçoamento;
• Eu mereço – Entender que merece investir mais na vida (profissional, pessoal…).

Formas de trabalho:

– Apresentação e definição do relacionamento;
– Aplicação de ferramentas e protocolos em Coaching;
– Conversa orientada para soluções;
– Descoberta de valores;
– Definição de metas;
– Perguntas, tarefas, avaliação, feedback;
– Treinamento e desenvolvimento de competências e habilidades;
– Simulação, encenação, desempenho de papel (role play);
– Firmamento de acordo;
– Apresentação da meta atingida;
– Avaliação final e desenvolvimento contínuo do trabalho.

Etapas do coaching:

1. Trabalhar em conjunto (coach e coachee) a fim de identificar a paixão, os valores, a missão e as metas desenvolvendo uma integridade pessoal;
2. Fazer com que o cliente tenha visão de futuro que o entusiasme tanto que o faça dedicar sua energia máxima aos seus objetivos estabelecidos;
3. Verificar o grau de motivação e dedicação do cliente.
4. Verificar se possui as qualidades e características para mudança e estabelecer quais comportamentos precisa ser melhorados;
5. Estabelecer junto com o cliente as metas e um plano de negócio (marketing, financeiro, mercado, produto, jurídico);
6. Elaboração de um plano de ação para start-up para atingir o êxito, citam que desenvolver e manter um coaching eficaz implica em facilitar o processo de planejar metas inspiradoras de melhoria de vida, que tragam mudanças significativas, e identificar o sucesso do processo.

————————————————————————————————————————————————————————–
Referências Bibliográficas: ARLOSKI, M. Wellness Coaching for Lasting Lifestyle Change. Duluth, MN: Whole Person Associates, 2009
DOOLEY, MIKE. Infinitas Possibilidades. São Paulo: Universo dos Livros, 2010
LAGES, A.; O’CONNOR, J. Coaching com PNL: o guia prático para alcançar o melhor em você e em outros: como ser coach máster. Rio Janeiro: Quality Mark, 2004.
LOVISARO, D. Glossário In: PERCIA, A. ; SITA, M. Manual Completo de Coaching. São Paulo: Editora Ser Mais, 2011p.401-404.
PIRES, I. Aspectos filosóficos do Coaching. In: PERCIA, A. ; SITA, M. Manual Completo de Coaching. São Paulo: Editora Ser Mais, 2011p.53-58
RODRIGUES,E.H. Coaching em ação ! In: PERCIA, A. ; SITA, M. Manual Completo de Coaching. São Paulo: Editora Ser Mais, 2011p. 13-18
SKARBNIK, R. Z.; SIMURRO, S. A. B. Wellness e Health Coaching In: PERCIA, A. ; SITA, M. Manual Completo de Coaching. São Paulo: Editora Ser Mais, 2011p. 396-375.
Consultada:
PROCHASKA, J.; NORCROSS, J.; DICLEMENTE, C. Changig for Good. New York, NY: Harpen Collins/Quill, 1994/2002

“Direitos reservados ao autor do Texto. Não pode ser reproduzido sem o devido crédito parcial ou integral.”



9 Alterações de Comportamento na Pessoa com Alzheimer:

alzheimer

1) INSÔNIA

– Procure deixar o ambiente do quarto silencioso e com pouca luz.
– Certifique-se de que a cama e as roupas usadas pelo paciente para dormir, sejam confortáveis e não esteja molhada, para que ele não se sinta apertado e não passe frio ou calor.
– Tente evitar que o paciente durma durante o dia, envolvendo-o em atividades agradáveis que afastem o sono.

2) DELÍRIOS

– O paciente com alzheimer tem a sensação de está sendo perseguido, tente explicar o que está acontecendo, onde ele está e que ninguém fará mal a ele.
– Sempre dê parâmetro de realidade explicitando fatos.
– E se uma determinada pessoa for considerada nociva, certamente será incluída no delírio e isso a afastará de qualquer possibilidade de oferecer ajuda.

3) ALUCINAÇÕES

– Em hipótese nem uma não discuta com o paciente com alzheimer sobre a veracidade do que ele está vendo ou ouvindo.
– Certifique-se que no ambiente não há algum objeto ou fator desencadeante da alucinação como por exemplos: uma planta fazendo sombra, o vento fazendo barulho na cortina, objeto de decoração que a perturbe.

4) SEXUALIDADE EXACERBADA

– Evite situações, sons e imagens que possam ocasionar estimulação sexual.
– Na hora da higiene íntima esclareça informe paciente que é o momento da higienização, explicando porque e para que do fato.
– Procure médico e ou psicólogo para identificação e solução do problema.

5) PERAMBULAÇÃO

– Na parte interna das roupas faça identificação com: nome, endereço e número de telefone.
– Esconda as chaves da casa e do carro para evitar que paciente tente sair de casa.
– Coloque nas portas e portões sinos ou até câmeras para evitar fuga do paciente.

6) AGRESSIVIDADE

– Em caso de agressividade tente mudar o foco chamando a atenção do paciente para outra coisa como paisagem, fotos, música e etc… como uma tentativa para acalma-lo.
– Proponha fazer outra atividade do tipo motora como: caminhar.
– E tente de maneira sutil descobrir o motivo da reação da agressividade e evite repetir a situação.

7) DEPRESSÂO

– A depressão necessita de tratamento psicológico e medicamentoso, não espere, pois o quadro não melhora sozinho, apenas se agravam com o tempo. O tratamento miniminiza o sofrimento do paciente.
– Sempre propicie acolhimento do paciente em meio às conversas e atividades familiares; pois exclusão apenas agrava o quadro.
– A expressão de amor, carinho e cuidado ajuda o paciente sair do quadro de depressão.

8) ANSIEDADE

– Mantenha ambiente calmo, organizado, seguro e agradável para rotina do paciente.
– Evite conversas, brigas e discussões desnecessárias na frente ou próximo do paciente.
– Evite gritar ou falar alto com paciente.
– Evite toda e qualquer agitação desnecessária no ambiente que paciente está inserido.

9) MANEJO DE SINTOMAS

– Evite reações emocionais negativas com ou na frente do paciente.
– Nunca trate o paciente com impaciência, agressividade ou ainda com irritabilidade esses sentimentos podem aumentar conflito e ocasionar no paciente repudia, distanciamento; além de gerar sentimentos de impotência, medo, tristeza, desânimo, dificuldades de lidar com perdas.
– Não trate o paciente com desprezo e indiferença.
– Nunca ignore os desejos e atitudes do paciente porque ele não se recordará depois esse fato poderá enfraquecer os vínculos e a interação social do paciente.
– A ausência de resposta favorece a passividade e pode exacerbar confusão e até agressividade.
-Não use aceitação com permissividade excessiva; tente entender as atitudes do pacientes e apresentar os riscos para aquela situação e impor postura de cuidados com imposição de limites.

“Direitos reservados ao autor do Texto. Não pode ser reproduzido sem o devido crédito parcial ou integral.”


download-5-1.jpg

Orientações Gerais para Profissionais no Atendimento Domiciliar:

Vale apenas ressaltar que o profissional da saúde tem que ser imparcial, seja com a família, o paciente e com as empresas envolvidas no processo. Ele deve executar os procedimentos sem envolvimento pessoal e emocional, mantendo uma postura ética conforme prevê o código de ética de cada profissão.

  • O profissional deve ter discurso claro e coeso, sem opiniões, fofocas e discussões.
  • Não falar mal ou denegrir colegas e a empresa ou operadora de saúde.
  • Os profissionais não poderão discutir, abordar assuntos impertinentes ou até mesmo sobre a doença ou o paciente e seus familiares dentro da residência.
  • O profissional deverá atender com roupas próprias, sem roupas curtas, minissaias, roupa colada, tipo calças legging, de contton, salto alto, unhas grandes e sujas etc. O profissional de enfermagem deverá usar chinelo apenas para dar banho no paciente e não ficar circulando na casa de chinelo e de roupas como se estivesse em sua casa.
  • O profissional de enfermagem é prestador de serviço, não funcionário da casa.
  • O profissional não poderá falar mal ou questionar a postura de outro profissional da saúde no domicílio.
  • O profissional deverá ser gentil e cordial com os colegas de trabalho, cuidadores e familiares em qualquer situação.
  • Seja otimista e bem-humorado.
  • Seja humilde e solícito.
  • Postura profissional é fundamental ao reconhecimento e consolidação de uma carreira na área da saúde.

 

Trecho do Livro: Profissionais da Saúde e Home Care.

Ano: 2017

Editora Revinter – 1ª edição

Proibido o uso do conteúdo total ou parcial, sem autorização.


Você profissional de uma das seguintes áreas venha ser um franqueado: fonoaudiologia, fisioterapia, nutrição, psicologia e terapia ocupacional.

Notícias Recentes

Copyright BiohouseTerapias 2019. Todos os direitos reservados